14 de dezembro de 2011

A igualdade do desigual


É que ela acreditava todos os dias que o mundo poderia ser melhor para todo mundo. Assim poderia sair com aquela jóia que ganhara de seu marido há tempos e jamais havia exibido por medo da violência.

Seu marido esperava encontrar o equilíbrio dentro de si e energizar seus chakras. Para isso freqüentava um templo, com sua irmã, em que trabalhava um porteiro simpático de quem não sabia o nome e a quem nunca cumprimentou.

Sua irmã, por sua vez, sentia-se felicíssima em receber a família em sua luxuosa casa, mas tinha uma enorme preguiça do primo bicho grilo, que havia se casado com sua melhor amiga. Pois ele continuava com aquele papo cansativo socialista de quem não vai amadurecer nunca: “blá blá blá igualdade para todos”.

Empolgada com os ideais do marido, a melhor amiga sempre fazia doações à instituições de caridade, mas preferia aquelas que não precisava ir ao local fazer a entrega, “Vocês não tem uma conta bancária para eu depositar? É que eu e minha mãe temos um peeling marcado para a véspera do Natal”.

Sua mãe tinha um apego enorme (pela pele do rosto e...) por animais, sobretudo os seus. Por isso comprara sapatos e roupinhas para eles. E fazia questão de levá-los para passear pessoalmente, todas as manhãs, pelas calçadas do seu bairro em que ainda dormiam os meninos descalços e desagasalhados.
   

Um comentário:

  1. Este post é como se fosse uma torre de Babel do cotidiano... Contei 8 personagens para 5 parágrafos (aí incluídos os meninos descalços e desagasalhados, pois, claro, não quis marginalizá-los também).

    Cada um com sua vida e sua proposta/propósito de vida.

    De tempos em tempos, eu me pergunto qual o meu propósito na vida. Às vezes, vejo que é hora de atualizar. Quando criança, meu propósito era crescer, conquistar uma garota, casar-me e ter filhos. Depois, já adulto, o propósito transformara-se em ter um ótimo emprego, ter como ter uma vida sem luxo, mas com conforto.

    Bem, e agora? A vida passa e o que fiz com meus propósitos?

    ResponderExcluir