6 de janeiro de 2011

O passado é um bolso


O passado é um bolso: de onde se deve tirar apenas o que convém. O Passado é a contração da mãe de filho crescido; é o cheiro de quem vai, mas não é esquecido; é o choro de separação da moça que já tem novo marido; é a voz de quem se foi; é o tchau de quem era “oi”.

Do bolso passado se tira apenas o que precisar, existe o que nunca há de se resgatar. Passado é o minuto atrás do instante agora; é a fome do que saciou; é a solidão do acompanhado; é a dureza do abastado; é a tristeza do alegrado; é a caixa de email do mês passado; é a semente que já floriu; é a nascente que encontrou o rio; é a corrente que se partiu; é o março para o abril.

O Passado não deve ter zíper, nem mesmo botão, tudo precisa estar sempre acessível pra ser relembrado, para ter de lição. Não se deve lacrar o passado, mas pode-se tingir de outras cores, não se deve tê-lo furado, nem fazer dele morada das mãos. Pois apesar do bolso passado ser fundo e caber cada dor e alegria do coração, é preciso ter as mãos livres para pegar o novo que vem com os ventos presentes e então decidir o que se quer guardar - ou não.

9 comentários:

  1. Inspiradíssima! Show!

    Me ensina a aceitar o passado um pouquinho? Pq eu vivo láaaa no futuro!

    bjus

    ResponderExcluir
  2. Sensacional!!!
    A gente nada mais é do que cada pedacinho que está dentro do bolso!
    Show de bola essa metáfora!
    Beijo grande

    ResponderExcluir
  3. Adooorei... eu gostaria de viver mais o futuro e deixar um pouquinho o passado de lado, mas é complicado, viu!!! Afinal, se sou o q sou é culpa do meu passado... Amooo-te!!! Bjus...

    ResponderExcluir
  4. Passado, "isto foi" x Passado, "assim eu quis".

    É isso aí que Nietzsche coloca em "Genealogia da moral". Vale uma conferida ;)

    Por quê?

    Porque ele mostra como a civilização cristã vê o passado como "isto foi" e, então, o ressentimento é quase que uma maneira de viver dos cristãos - quase que todos ocidentais, por conta do laicizismo do cristianismo...

    Depois que li este texto do Nietzsche, aprendi que (além de escrever certo o nome dele) devemos viver como o "assim eu quis" quando relembro o passado. Pois, no presente, sempre temos escolhas. Sempre optamos por uma coisa dentre outras coisas. Aprender a ser responsável com suas escolhas no presente, para no futuro não ressentir seu passado: não sofrer com seu passado, não viver de novo aqueles sofrimentos. Mas, sim, lamentar, no máximo.

    Bem, é o que tenho tentado fazer. Mas existem, de fato, situações extremas que fogem de nossa alçada totalmente. Aí... só o tempo (passado + presente + futuro) para cuidar.

    ResponderExcluir
  5. AMEI, AMEI, AMEI, AMEI... Como vc é doce e sábia com as palavras...

    Vc ocupa um lugar muito especial no meu bolso, viu?

    Beijos enormes!

    ResponderExcluir
  6. Linda! Sempre com suas palavras verdadeiras!
    Adorei, como sempre!

    ResponderExcluir
  7. Adoro sua vidinha "sem" importância.

    Bjs,

    ResponderExcluir
  8. Passei aqui lendo o que tem pra ler. E observando o que tem para observar. E Exaltando o que tem de ser Exaltado. Estou lhe desejando um Tempo de Harmonia e de muita Inspiração. Entendo ter um blogue Agradavel, muito bom e Interessante. Eu, também tenho um. Muito Simplório por sinal. E estou lhe Convidando a Visitá-lo e, mais. Se possivel Seguirmos juntos por eles. Estarei Muito Grato esperando por Você lá.
    Abraços de verdade e, fique com DEUS

    ResponderExcluir
  9. ou nas palavra de Belchior- o passado é uma roupa que não nos serve mais

    ResponderExcluir