9 de julho de 2010

Ouvir ou escutar?


Você ouve ou escuta? Se acha que é tudo a mesma coisa vamos às explicações. Tecnicamente: os verbos “ouvir” e “escutar” são considerados sinônimos nos dicionários, porém eles têm significados distintos. Sendo “ouvir: perceber o som pelo sentido da audição”; e “escutar: estar consciente do que se ouve”. Poeticamente: Mário Quintana diria “Esses que pensam que existem sinônimos, desconfio que não sabem distinguir as diferentes nuanças de uma cor.” Particularmente: Sinto falta de ser escutada muitas vezes em que sou ouvida; sinto falta até de ser somente ouvida em algumas ocasiões; e de ouvir; e de escutar então...

Somos todos artistas de nós mesmos, e usamos o sentido do outro para tentar nos mostrar. O que diz o que vemos em você, suas roupas, sua cara, suas cores? O que diz o que cheiramos em você, seu suor, seu perfume? O que diz o que tocamos em você, sua pele, sua temperatura, seus calos? Talvez não fosse preciso o uso de tantos sentidos se soubéssemos escutar, se soubéssemos o que diz o que ouvimos de você, no sentido de pensar, processar e guardar o que você mesmo – que tanto se conhece – tem a dizer de si.

Que música faz o seu colega de trabalho chorar? Que momento marcou a vida de sua mãe? Qual foi a melhor tarde da vida do seu amigo? Que problema aflige aquele senhor de olhar caído? O garoto tímido da faculdade, o que faz no fim de semana? Qual o doce preferido da sua irmã? Aquela menina que passa por você e sempre sorri, tem pensamentos parecidos com os seus?

Não se sabe... nem se saberá, se não parar para escutar. O fato do “ouvir” ser preferido em lugar do “escutar” é constante. Tantas coisas rasas vão passando pela vida, tanta terapia pra tentar se fazer ouvir, pra tentar descobrir por que sempre falta alguma coisa. Falta porque não aprofundamos em nada; falta porque o que começa já está no fim, falta porque temos pressa; porque estamos tão programados a não escutar que desenvolvemos um falar diferente de dizer.

E então ninguém diz; ninguém escuta; ninguém se conhece; ninguém se vê; ninguém se faz entender. E a vida segue na grande e bela cidade que todos olham, mas ninguém vê; observada pela janela da moça que todos sabem quem é, mas ninguém conhece; que tanto tem para dizer, mas ninguém escuta.

6 comentários:

  1. Assino, reconheço firma e carimbo!
    Porém acho também q não nos conhecemos, não nos escutamos e sim nos ouvimos.
    O problema está em se escutar e escutar o outro.
    Esse mundo nos isola a cada minuto, nossa preocupação está nas coisas externas, e não no mundo interior, qdo estivermos conectados a nós, sucessivamente estaremos aos outros, escutando - os. Estaremos submersos no mundo da consciência e da alma.
    Conseguiria ficar aqui horas escrevendo sobre... Mas o q quero saber agora é: E VOCÊ COMO ESTÁ?

    ResponderExcluir
  2. Sabe o que acho mais louco, é quando pessoas longe, sem contato de pele, som ou sorriso, simplesmente escutam, desconhecem outras formas...

    Saudades da minha amiga...
    Saudades de te escutar...
    Saudades ainda mais de sua escuta...

    ResponderExcluir
  3. é.. eu n tenho te escutado mesmo n, mas ler eu leio sempre que precisar.

    e essa coisinha ai em cima tb, a Dona Mariana, o sds de vcs.. falta q vcs fazem aqui...

    bjbjbj

    ResponderExcluir
  4. Eu escutei que, para a Raquel, aquilo que mais importa é dar e ganhar abraços de urso;
    Eu escutei que, para a Carol, aquilo que mais importa é sorrir, dar risada, junto de seus amigos;
    Eu escutei que, para a Fabíola, aquilo que mais importa é sentir a importância dos detalhes e alegrar-se por eles existirem - compreendendo-os ou não.

    Mas eu posso ouvir que nada disto faz sentido. Que é até descabido, prepotente! Mas... escuto muito aquilo que vem do meu coração. Vocês vêm do meu coração, meninas.

    ResponderExcluir
  5. você precisa de "férias".

    né?


    "Quero ser grande" era um filme massa quando a gente era criança...

    ResponderExcluir