23 de abril de 2010

O descontrole de Mariazinha



Mariazinha acordava às 6h. Jamais havia usado a função “soneca” de seu despertador; nunca se atrasara para seu trabalho e mantinha rigidamente os horários de sua alimentação. Ela tinha dia marcado para encontros com seus pais, amigos – que eram poucos, e namorado. Tomava pontualmente seus remédios, vigiava as horas de sono que poderia ter. Afinal, Mariazinha não podia perder o controle sobre o seu tempo.
Mariazinha contava suas calorias diárias. Aos poucos descobriu que o cafezinho da tarde, que tanto gostava, fazia ultrapassar 2 calorias do que poderia consumir por dia. Abandonou esse prazer, assim como outros: o chocolate; a pizza de domingo; a lasanha de sua mãe; as festinhas de criança; os churrascos; e encontros que incluíam tira-gosto. Afinal Mariazinha não podia perder o controle sobre suas calorias.
Mariazinha não se dava oportunidade de ter medo. Morava no térreo, pois já havia ouvido muitas histórias de acidentes envolvendo elevador. Quando ia às compras, preferia escadas comuns às rolantes. Não andava a pé. Nunca se permitira tomar um bom banho de chuva. Afinal, Mariazinha não podia perder o controle sobre seus medos.
Mariazinha não bebia, nunca soube o que era tomar um porre, nunca fez nada ilícito. Ela não tinha uma crença, pois achava que isso era para os fracos. E controlava dia e hora que poderia ter encontros mais íntimos com seu namorado. Afinal, Mariazinha não podia perder o controle sobre sua sanidade.
Com o passar dos anos, Mariazinha percebeu que perdeu o controle, ou melhor que jamais o teve. Afinal, foram o tempo; as calorias; os medos; e a sanidade que a controlaram por toda a vida, até então. Mariazinha decidiu mudar, será que é capaz?

5 comentários:

  1. Essa aí dificilmente mudaria. Metódica até dizer "chega!" ! Xiita do método ! Se ainda fosse do método experimental... aí, pelo menos, perdia-se em hipóteses, mas não, nem isso! Perde-se apenas em rotinas ! Xiita da rotina !
    Em tempo, é público e notório que sou um pouco metódico, confesso abertamente que gosto de uma rotina, mas.... nada de xiitismo é válido. Nada. Acho que só no futebol, pq sinto falta do tempo que eu era xiitamente Flamengo. Mas as danadas das duas faculdades que fiz me tiraram isto: o jornalismo e sua busca falsa pela imparcialidade; e a antropologia (em Ciências Sociais) com o seu etnocentrismo, com seu relativismo...
    Droga... Têm jogos que eu gostaria de voltar a ser o xiita rubro-negro que fui um dia. Infelizmente, não sou mais capaz de mudar para aquilo que fui :(

    ResponderExcluir
  2. Mariazinha tem medo de encarar a vida... usa o aparente "controle" como proteção...

    Mariazinha precisa relaxar e ser feliz! :)

    ResponderExcluir
  3. Ainda bem que eu sou antimariazinha!!!!!!! Levo minha vida procurando o menor controle de tudo. Às vezes até exagero no descontrole (rsrs), o que também não é bom. O certo é o equilíbrio, né? Mas aí é pedir demais pro ser humano, kkkk!

    ResponderExcluir
  4. Haha! Thiago pode ser Xiita da relexão também!

    A Mariazinha é uma mala né gente!? Mas ela vai mudar... vamos acompanhar isso por aqui? Vou contar pra ela seu conselho Vi! Sem comentar a fúria da Raquel, claro! rs

    Ana realmente... esse tal equilíbrio... onde compra?

    Beijos e Obrigada a todos e todas!

    ResponderExcluir